sábado, 19 de abril de 2008

A leitaria de Maria Antonieta


O castelo de Rambouillet foi comprado em 1784 por Luís XVI,ao seu primo o duque de Penthiève,pois o rei adorava a caça e este local era ideal para o seu passatempo favorito. Para poder ter consigo a sua mulher em Rambouillet, o rei manda então construir, para agradar a Maria Antonieta uma quinta modelo e uma leitaria. Encarrega Jacques-Jean Thévenin de planear e construir uma leitaria (espaço para degustações) no parque da propriedade.

A construção do edifício foi mantida em segredo e só foi mostrado à rainha em 1787, quando ficou pronto. O edifício abriga no seu interior uma gruta artificial, de composição naturalista onde corria uma fonte que serve de cenário a uma estátua realizada em 1789 pelo escultor Pierre Julien (1731 - 1804):




“La Nymphe Amalthée et la chèvre ”.
Conta a lenda que Amalthée alimentou Zeus no seu seio.









Este escultor irá conceber nove esculturas de uma pureza e elegância que são uma referência da arte neo-clássica.




O edifício de um gosto neo-clássico, rompe com a tradição arquitectónica do Petit Trianon. Três degraus levam ao peristilo da porta de entrada ladeada com duas colunas toscanas encimada por um frontão redondo decorado com um medalhão em mármore, que representa uma vaca aleitando o seu bezerro. Este “gosto pelo campo” próprio da segunda metade do séc. XVIII, está associado ao ideal de retorno à natureza.




A primeira sala redonda coroada de uma cúpula de caixotões e rosáceas, rodeada por uma consola de mármore de Carrara.Ladeando a porta que dá acesso à gruta, existem dois nichos de parede onde se colocavam vasos (desconhece-se o seu paradeiro),com asas adornadas com cabeças de cabras, onde era guardado o leite fresco. Esta divisão servia também para degustar produtos lácteos.











A loiça de Sèvres, tijelas, potes, bacias, canecas e as famosas taças-seios, eram utilizados nas degustações, a par de um mobiliário feito de propósito para aquele local, em estilo etrusco, por Georges Jacob. Todos estes objectos desapareceram durante a francesa.






Na verdade Maria Antonieta pouco utilizará esta leitaria; a sua última passagem foi durante uma caçada em 1788. Ela considerava Rambouillet um "chiqueiro", e nem a construção do belo edifício a fez mudar de ideias..
Oficialmente Luis XVI será o proprietário de Rambouillet até 1791.
Napoleão redecora e transforma a leitaria, instalando uma grande mesa de mármore branco, ornamentada no seu centro com os seus símbolos imperiais. A Restauração substituirá esses símbolos imperiais por estrelas, que rodeam um círculo vermelho.






Na segunda divisão onde se encontra a gruta artificial e a estátua da ninfa e da cabra, estiveram na época dois grandes baixos relevos que ornamentavam as paredes laterais, sob o tema “Júpiter criança com os Coribantes" e "Apolo pastor guardando o rebanho de Admete":



Imagem de como seria a sala com os baixos relevos que foram retirados


Os baixos-relevos em mármore que adornavam a leitaria, desapareceram no século XIX. Considerados obras-primas do escultor Pierre Julien, estiveram desaparecidos entre 1819 e 2001.Quatro medalhões ornamentavam a primeira sala redonda, “La traite de la vache”,”Au barattage du lait”, “La tonte des moutons”e "La distribuiton du sel”,sobre a porta que dá para a divisão da gruta, um medalhão de 114cm, com o tema “Uma mãe aleitando o seu filho”.








Au Barratage du lait





L'enfant Jupiter chez les Corybantes




Os herdeiros do antiquário Daniel Wildenstein, descobriram-nos nos depósitos do seu pai, aquando da sua morte e optaram por uma doação. Actualmente estão nas reservas do museu do Louvre, sem que se tenha ainda decidido,se voltam a Rambouillet ou se permanecem no museu. Tal já tinha acontecido com “La Nymphe Amalthée et la chèvre ” que ficou 124 anos no Louvre antes de voltar ao seu local de origem - a gruta da Leitaria da Rainha.

2 comentários:

Paulo disse...

Esse gosto classicizante vinha mesmo a calhar, no seguimento da exposição da Gulbenkian...

Vamos a Versailles?

miguel disse...

Rambouillet...vamos a Rambouillet.